quinta-feira, maio 05, 2011

Cruzeiro 0 x 2 Once Caldas

No jogo de ontem, o Cruzeiro foi eliminado da Libertadores da América, devido a um placar agregado de 3 a 2 para o time colombiano do Once Caldas. Há um tempo atrás, escrevi algo que resumiria muito bem essa derrota, mas estou com um pouco mais de tempo aqui, e portanto escreverei algo mais sobre o assunto.

Não adianta culpar o Roger, ele tem as mesmas limitações que tinha quando entrou no Cruzeiro. Indo direto ao ponto: ele não sabe marcar. E, em um jogo onde vários outros jogadores renderam muito menos que o esperado (especialmente Henrique e Marquinhos Paraná), é de se esperar que outros (Roger, Montillo e Gilberto) fiquem sobrecarregados e procurem fazer a tarefa dos outros. Daí o jogador se sente pressionado a carregar o companheiro de equipe, tenta fazer o que ele faz, e faz merda. Se não fosse a complacência do juiz com o soco que o Henrique tomou de um jogador do Once Caldas logo no início da partida, talvez o Roger fosse expulso 10 minutos antes, aos 20 do primeiro tempo, em um outro lance em que ele chegou afobado, atrasado, longe da bola e atingindo o adversário por trás. É expulsão, por qualquer ângulo que se analise a performance do jogador. Não era o dia dele, como não será o dia dele sempre que ele tiver a função de marcar por pressão.

Também não adianta correr atrás de gol anulado. Adianta sim se perguntar o que levou o time a chutar tão pouco ao gol adversário... aquele gol anulado, aos 37 do segundo tempo, foi o primeiro chute do Cruzeiro rumo à meta na partida. Ou, talvez, tenha sido o segundo, ou o terceiro, mas não mais que isso. E aí, como fica? É culpado o bandeirinha que errou um lance em vinte, ou a equipe que criou vinte chances, e só acertou uma?

Velha explicação para o novo fracasso, meus amigos: o time entrou mal em campo, de salto alto, crente que já havia se classificado. Entrou pensando no Santos, na Vila Belmiro, nas quartas de final, e se esqueceu do adversário das oitavas. Aliás, que time limitado, tem o Once Caldas! Agora, só falta o Santos golear nos dois jogos, e toda a participação do Cruzeiro nessa edição da Libertadores passará a ser considerada uma mera anomalia, um conjunto de acasos, e não o produto do trabalho sério e dedicado de toda a equipe técnica. Tudo porque o time não rendeu o esperado.

Fica agora a final no campeonato estadual, e a necessidade de vitória e de boa apresentação. Também tenho boas esperanças quanto ao Brasileirão, onde uma partida mal jogada não costuma enterrar o trabalho de uma equipe. Veremos. Tudo ao seu devido tempo.

E.