segunda-feira, julho 06, 2009

Caso Ouro Preto: Todos Inocentados, Menos o RPG!

Saiu, nesse último sábado, a sentença do julgamento dos três acusados de matar a estudante Aline em um cemitério de Ouro Preto. Todos foram inocentados por falta de provas: os próprios representantes da acusação reconheceram, em determinado momento, que as evidências encontradas no local do crime não foram devidamente preservadas e/ou analisadas pela polícia. O que isso quer dizer, em outras palavras, é que a incompetência dos investigadores destruiu as evidências que poderiam levar ao criminoso.

E então, caso encerrado, todo o mundo inocentado, fica tudo bem? É evidente que não: o assassino ainda está à solta. Cabe, portanto, à polícia da cidade o desenvolvimento de uma nova linha de investigações que permita elucidar o caso. De preferência, uma que seja associada àquilo que foi encontrado na cena do crime, e não na casa onde estava a estudante e seus amigos. Sim, porque não havia indício algum de que houvesse ocorrido uma sessão de RPG na cena do crime... nem 1d10 que fosse. Imagine o seguinte: uma pessoa vem te visitar, planejando ficar um final de semana na tua casa... daí, essa pessoa é assassinada... daí, a polícia entra na tua casa, e vê que você tem livros de RPG (ou fitas de filmes de terror, ou um jogo tipo o GTA instalado no seu computador, etc). Ato contínuo, a polícia te inclui como suspeito, e ainda associa o crime ao RPG/filme/jogo de computador. Pois é, foi mais ou menos isso que aconteceu... cuidado com os livros/jogos/filmes que você tem em casa!

O mais triste de tudo é que a mídia contiua dizendo que o crime ocorreu como sendo "um ritual satânico associado ao RPG". Ou seja, foi todo o mundo inocentado, menos o RPG. O nosso passatempo continua sendo "mentor intelectual" de um assassinato, mesmo com as investigações acerca desse assunto encerradas... uma pena: a mídia poderia noticiar tantas coisas sobre o RPG (como o RPGCON, realizado nesse último final de semana), mas ainda se prende a falar do crime. Vende-se mais jornais dessa forma, devo reconhecer...

Bom, ao menos os inocentes foram inocentados, que é o mais importante. Agora, trabalhemos para que o nosso querido RPG seja também inocentado. Foram 10 anos para inocentar as pessoas... quanto tempo mais para inocentar o RPG?

E.