sábado, outubro 10, 2009

Uma passagem do diário do Duque Tadeus Craveus,

Comandante da Cidade-Fortaleza de Craveus, soberano da Fortaleza Negra, defensor do último bastião entre o coração do reino de Lenara e a Orkhath, Tadeus Craveus foi, um dia, um dos condenados a permutar sua pena de morte por dois anos de servitude naquele deserto pedregoso. Daquela época até hoje, passaram-se vinte anos, e o então segundo praça subiu ao topo da hierarquia do exército lenense: ele poderia comandar qualquer exército em qualquer lugar, mas permaneceu ali, diante dos orcs e da impossibilidade de paz.

Temos, abaixo, uma recente anotação de seu diário.

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

"… eles perguntam-me, estupefatos, como não me aproveito de seu poder, como me atrevo a mandar pessoas “despreparadas” diretamente à frente de batalha, e ainda por cima para enfrentar orcs. Eles não entendem. Tento explicar: isto é um campo de batalhas, não uma galeria de tiro ao alvo, onde cada um pode realizar a magia que mais lhe apetece, escolher um alvo e não mais se preocupar com o assunto. Guerras não são simples assim.
A grande maioria de meus comandados é de condenados à morte. Virou costume no reino: todos aqueles que foram condenados à morte podem comutar a sentença e, ao invés de balançar por dois tempos em uma forca, devem permanecer por 2 anos na Fortaleza Negra, sob meu comando. E as chances de sobrevivência aqui são tão módicas que muitos ainda escolhem morrer na forca. Execráveis execuções, vidas paridas e espoliadas... e, então, os magicianos abutres adicionam sua fome ao desespero dos que escolhem a alternativa da redenção: oferecem suas preces, suas bênçãos, seus encantamentos e bruxarias, dizendo de tudo: “Craveus é a morte, por uns meros ducados, eu posso evitar que ela se aproxime”, “os campos pedregosos do sul de Lenara são lar de muitos demônios, transfira para mim tuas posses e eu protegerei sua alma do toque gélido dessas aberrações”, “vá com os deuses, cuidarei para que eles sempre o acompanhem, orarei em sua honra, apenas deixe-me como curador de seu patrimônio”. Abutres. Pudessem e roubariam o odor de um mendigo, deixando-o escravo da indiferença alheia e retirando-lhe o mérito.
E, então, ao desembarcar em Praar, qual é a primeira ação? Remover toda e qualquer ação mágica dos encarcerados. Benéfica ou maligna. Ninguém aqui chegou forçado; temos de ter certeza de sua lucidez e clareza de pensamento. E lá vem as lágrimas, a dor do engodo, tão grande, que quase se esquecem de seus crimes. E pensar que essa é a hora de menor tristeza da maioria...
O combate, a guerra, não é fácil. Combater orcs não é para qualquer um, creio mesmo que não é para ninguém. Mas eles estão ali, espremidos entre os caethir e o mar, e assim avançam sobre nossas terras, o que fazer?
Eu os treino e os lidero. A maioria não diferencia um escudo de um alvo, uma lança de uma alabarda. E não reconhecem o valor de seu treinamento, até que entram na primeira batalha. E, quando começam a tomar confiança, comportarem-se segundo a razão e a disciplina, quem reaparece? Os abutres. “Tenho aqui uma espada abençoada e jurada contra orcs”, “vista essa armadura, e seja protegido pelas orações de todas as viúvas cujos amados morreram tragicamente aqui em Craveus”, “Sirva aos Deuses quando em batalha, traga-me os dentes caninos do maior orc que encontrar, e eu lhe retribuirei”. Mascates da morte, tropeiros de tragédias, Caixeiros viajantes das colundrias e vilanias.
E, não menos, vem a mim. Oferecem as bênçãos da divindade do dia, do mês, do rio e sabe mais de onde. Querem ditar (DITAR!) o que acontecerá aos meus comandados, ao meu exército de malditos, às minhas ordens e aos meus passos. Pois, dou-lhes então o elmo, as grevas e o sabaruno para que guiem, claramente, o caminho da vitória naquele dia (ou em qualquer outro), e, logo, desconversam, tergiversam, põem-me como o iluminado a ser guiado, o escolhido que não escolhe, o salvador perdido no deserto.
Não na minha vigília. Morrerão secos, prenhes de suas preces e magias, curarão todas as unhas encravadas e enjôos matinais de toda a Lenara antes de eu os permitir 'aprimorar' minhas tropas.”

- Tadeus Craveus VIII, Duque da Última Província, 15 de Archenon, Ano 955

E.

Um comentário:

  1. Olá. Eu sou Cochise César e já tentei fazer isso uma vez e não deu certo, mas pode ser que agora dê.

    Quero convidar você a contribuir com um portal colaborativo de RPG. Um lugar onde apareçam só os posts mais importantes, independentemente de quem seja o autor ou em que site ele esteja.

    Uma forma de tornar mais visível o conteúdo importante.

    Para isso é preciso apenas que quando escrever um post importante faça um resumo dele e submeta para nós em http://rpgbrasil.co.nr/

    Se quiser apoiar o projeto pode também adiconar nosso banner ao seu site http://i33.tinypic.com/2uh20pw.jpg

    Abaixo segue um "release" do RPG Brasil.

    O RPG Brasil é um agregador colaborativo.
    Isso quer dizer que ele é um site “grande”, mas que vive de doações de conteúdo da comunidade. A idéia é que qualquer um possa “doar matérias”, inclusive eu.

    Todos os blogs tem posts relevantes e não relevantes. Agregadores tratam todos da mesma maneira. Colocal todos eles listados lado a lado. Separar os artigos que realmente valem a pena ser lidos dos que não valem é uma tarefa difícil.
    Mas há mais blogs do que se pode acompanhar, (aproximadamente 150) portanto seria necessário uma grande equipe para fazer uma seleção doque realmente importa.
    Agregadores colaborativos partem do princípio da autocensura para resolver esse problema.
    O autor sabe que os comentários que fez sobre as férias não são relevantes para pessoas que não sejam seus amigos. E ele sabe que o review de um jogo ou o novo NPC que criou é.
    A ideia é que ele divulgue seus posts relevantes para a comunidade através desse site. Assim, o melhor conteúdo da blogosfera é indexado aqui.
    Não publicamos aqui matérias completas, apenas chamadas, então o leitor interessado tem que ir ao blog de origem da matéria para lê-la por inteiro.
    Nesse negócio ganha o leitor ganha por ter acesso a um conteúdo filtrado e o autor ganha por aumentar suas visitas e visibilidade

    ResponderExcluir